sexta-feira, 29 de outubro de 2010

A PRIMEIRA VEZ por Mary



Crédito: My mag


Tenho cabelos arruivados que batem no ombro, 1.65 alt, 58kg distribuídos, uma boa parte estão em minhas perna e bunda, meus seios são médios, tenho 18 anos, meu namorado, tem olhos castanho claro bem chamativo, 1.70 alt, deve pesar uns 72kg, ele faz academia e é bem gostoso, cabelo preto estilo militar, já estamos juntos a dois anos, moro com minha irmã mais velha que é recepcionista de um hotel e seu marido vigilante de escola, durante todo esse tempo, nunca passamos de uns amasso, mas de uns dias pra cá tudo começou a fluir mais quente, bem mais quente mesmo, perdi meu cabacinho.

Tudo começou quando ele chegou lá em casa e ficamos na sala assistindo, ele me chamou pra varanda lateral como era de costume, ficamos nos beijando, ele segurou minha nuca e beijou-me suculentamente com a língua, cheirou meu pescoço, mordiscou, lambeu, subiu para minha orelha, cheirou-me outra vez agora bem ofegante, ele estava tarado, então eu disse... - calma amor! Desse jeito vamos passar do limite... ELE: você acha que eu quero o quê? Estava com um short branco bem colado deixando minha bunda um tesão, vestia a blusa de meu cunhado que cobria meu short, e por baixos meus seios com o bico arrepiado dentro de um sutiã bem fino, achava que foi isto que estava deixando ele mais atiçado naquele dia, mas não foi, ele tava mesmo afim de me tascar a rola.

Ouvir minha irmã abrindo a porta e disfarçamos, ela iria trabalhar à noite e na faixa da 21:00 ela saiu e disse pra Patrício, meu namorado, não demorar.

Meu cunhado iria chegar as 23:00 +ou-, foi tudo que ele queria, estávamos sozinhos. Abraçou-me forte, segurou meus cabelos, passou a língua em minha orelha, fiquei toda arrepiada, desceu a mão por minha costas, agarrou minha bunda, apertou e a arregalou, sendo impedido pelo tecido apertado do short, eu já estava com as pernas trêmula, excitadíssima, descansei sobre o seu corpo, sentir seu calor, ele aproveitou o momento e subiu as mãos por baixo da blusa folgada, que estava quase toda suspensa atrás, ele acariciou minhas costas suavemente, eu queria pedir pra ele parar, mas não tive forças, estava totalmente entregue e rendida  aquela sensação de tesão, êxtase, desejo de ser invadida por um mastro, minha buceta estava nadando e minha calcinha era uma pequena piscina e meus líquidos transbordavam nela, melando até o short, com um leve toque com as mãos ainda por trás de mim, ele abriu meu sutiã, que escorregou sobre minha barriga caindo no chão, então implorei...

- não, por favor, aqui não...
ELE: não vamos fazer nada ainda, mantenha a calma.

Agora ele deslizou as mãos sobre minhas costas se agachando fixando sua respiração ofegante no centro de minha buceta encharcada de tesão, suas mãos massageavam minha bunda, ele se levantou suspendendo minha blusa deixando meus seios com a pele arrepida, desejando serem apalpados e ele os apalpou com a boca, foi a primeira vez que chupou meios seios, dessa vez não segurei os gemidos, sobre o meu short ele começou a massagear meu clitóris, sentir umas contrações no abdômem e também nas paredes de minha vagina, era um orgasmo, era um forte orgasmo, sua boca em meus seios, o calor de sua respiração, meu clitóris escravo de seus dedos, empurrei seu corpo e desmoronei, me arrastando sobre a parede sentando no chão, dando pasmos e gemidos, ele se assentando ao meu lado me deitou sobre o chão, retirou meu short vagarosamente, tocou em minha xana, percebendo que estava molhada, enfiou dois dedos por baixo do tecido e não resistiu, baixou o rosto e arrancou a calcinha com o dente, depois abriu minha pernas e chupou minha buceta, louco e alvoroçado parecia fazer mágica com a língua, eu me contorcia, os músculos de minha vagina se contraíam como se estivesse esperando por aquilo a muito tempo, dei um gemido tão forte que mais parecia um berro, ele levantou minhas pernas como um frango assado e sugou meu clitóris, ficou como se estivesse mamando, em meios aos gemidos e espasmos levantando meu quadril do chão gozei ainda mais forte.

Sem que eu percebesse, somente senti o mastro dele entrando, uma dor crescente conforme seu pau escorregava para dentro de mim, seu pau estava todo dentro de mim, acho que não senti tanta dor porque estava super lubrificada, altamente excitada, meus pés agora encostava em seu tórax, ele começou o vai e vem, ainda doía e ardia um pouco, mas não reclamei, conforme ele enfiava não sei ao certo quantos centímetros de rola, minhas pernas sentiam o peso do seu corpo, ele aumentou a velocidade dos movimentos e seu pau parecia encaixar perfeitamente em minha buceta e seu corpo sobre minha pernas suspensas como alguém que trocava a fralda de um bebê, abriu minhas pernas, bombava, acariciava meus seios, me xingava de putinha safada, cachorrinha, dizia que eu era dele e de mais ninguém, perguntou se ainda estava doendo... Respondi que bem pouco agora... Pediu pra eu me levantar e me apoiar com os braços na parede ficando quase de quatro pra ele. Passou a mão em minha buceta por trás quase caí, mas ele me segurou, ainda estava com vestígio de sangue do rompimento, me mostrou e limpou a mão na parede, limpou o molhado de minha buceta com a calcinha e começou a lamber como um cachorro em uma cadela, chegou a introduzir a língua e até lambeu meu cu, estava fora de si, começou a bombar outra vez, minha buceta começou a se contrair e ficou como estivesse mordendo o pau dele, ele dava leves tapas em minha bunda outrora mais forte, me puxou pelo cabelo e disse quase urrando... vai ser agora, em meios a gemidos, puxou mais forte meu cabelo com uma mão e a outra batia o pau no meu rêgo, depois enfiou de vez em minha buceta gozando e me enchendo de porra, então ouvi meu cunhado bater no portão chamando para abrir. Meio cansada e ainda no clima da foda, meio trêmula, peguei minhas coisas e corri pra dentro de casa enquanto Patrício abriu o portão, pus o short e o sutiã no cesto de roupa suja, vesti a calcinha e esperei ele entrar, quando meu cunhado me gritou, sair do banheiro e disse que tinha ido fazer xixi, mas quando virei de costas ele percebeu minha blusa melada e minha coxas que limpei só a frente, levei meu namorado até o portão e me despedi. Quando entrei de volta, meu cunhado estava de toalha e braços cruzados na sala, disse... eu já estava a um bom tempo no portão!!!

Fonte: Contos Femininos

terça-feira, 26 de outubro de 2010

ENCOXADA NO ÔNIBUS por Casado Tatuado

Créditos: sensualidade e poesias



 
Sou Fábio, 40 anos, 1,68 m, 55 kg, olhos e cabelos castanhos, uso óculos e sou casado a mais de 20 anos. Há muito tempo não tomava mais ônibus, mas, por conta de falta de peça, meu carro ficou na oficina por duas semanas. Assim fui obrigado a usar nosso caótico sistema de transporte urbano. Logo no primeiro dia, vi o sufoco que passam os usuários diários desse péssimo serviço, mas, houve compensações!!

No primeiro dia uma mulher já com seus 40 anos me despertou a atenção. Muito bonita, cabelos castanhos com mechas claras, lisos até os ombros, olhos claros, seios fartos e um corpo cheio de curvas.

No segundo dia me aproximei mais e senti seu aroma maravilhoso, aí comecei a puxar papo, perguntando se sempre era assim. Ela me disse que sempre era lotado e que já estava acostumada, fomos conversando banalidades. Virava e mexia ela me flagrava secando seus seios bem desenhados e aparentemente firmes.

No terceiro dia logo que entrei no ônibus busquei por minha amiga, a vi, ela sorriu e fui ao seu encontro. Notei que ela estava com um decote mais ousado e que se divertia com minhas tentativas de disfarçar meu desejo. Neste dia nos apresentamos e ela me contou mais sobre ela.

Vânia, 38 anos, casada, mãe de dois meninos, trabalhava como nutricionista numa multinacional. Feito as apresentações ficamos num clima morno.

No quinto dia numa freada brusca do ônibus eu propositalmente joguei meu corpo contra o dela. Esfreguei com certa malícia minha virilha em sua coxa pela lateral. Vi que ela percebeu e ficou sem graça.

Passsei o final de semana sonhando com a Vânia.

Na segunda ela estava com calça, camiseta e uma jaqueta por cima. Quando cheguei beijei-a do rosto e senti seu perfume, isso me fez ficar com o pau duro e meio que sem querer acabei encostando nela. Ela não me encarou como na última vez e pude notar seus biquinos se destacarem na camiseta rosa. Notei isso e comecei a encoxá-la disfarçadamente. Ela ria e brincava como se nada estivesse acontecendo. Neste dia fiquei com minhas bolas doloridas de tanto tesão. Quando nos despedimos sussurrei. "VOCÊ ESTÁ JUDIANDO DEMAIS DE MIM VÂNIA" Ela riu e foi embora, mas antes eu lhe entreguei meu cartão com meu fone e e-mail.

Sinceramente, não esperava mas no final da tarde recebi um e-mail dela pedindo a autorização para adição no MSN. Ficamos até mais tarde batendo papo no pc. No dia seguinte ela estava ainda mais atraente e cheirosa. Naquela terça feira o ônibus estava mais cheio que o normal e me aproveitei, me esfregando naquele corpão. Para minha surpresa senti ela retribuir e às vezes até arrebitar a bundinha. Nós só falavamos banalidades e brincadeiras, eu queria falar outras coisas mas com tanta gente fiquei com receio. Quando nos despedimos ela sussurrou. "NOS FALAMOS HOJE NO MSN ?" Eu respondi que sim e no meu ver ela saiu rebolando mais que o normal.

Naquele dia nos teclamos coisas mais picantes e ela confessou o seu desejo em trair o marido. Foi a deixa, comecei a insistir num encontro, mas ela desconversava.

Na quarta ela foi com o cabelo preso e foi muito difícil resistir àquela nuca linda. No próprio ônibus eu declarei meu desejo, sussurrando no ouvidinho dela. "SUA NUCA É MARAVILHOSA, TÔ LOUCO PARA DAR UNS BEIJOS E MORDIDAS NESSA PELE MARAVILHOSA" Ela me olhou com certa surpresa e tentou se afastar, pois as encoxadas já eram normais. Não foram poucas as vezes que fiquei com as bolas inchadas. Neste dia pelo MSN confessei que não estava aguentando, que estava ficando com meu saco inchado e dolorido todos os dias. Ela respondeu brincando, dizendo que queria curar-me. Mas que teríamos tempo. Expliquei que não teríamos tanto tempo, pois só restava-me dois dias para pegar o ônibus. Nesse dia praticamos nossa primeira transa virtual, gozei rapidamente sujando toda minha mesa.

No dia seguinte ela estava mais séria, mas estava mais linda também, usava uma calça preta que valorizada suas curvas, uma camisa creme brilhante soltinha que estava com alguns botões abertos promovendo um decote bem ajustado, uma sandália preta e por fim uma tiara amarelinha. Ela me perguntava por que eu não pegaria mais o ônibus. Eu expliquei ela esfregou sua bundinha em mim. "ISSO NÃO VALE O SACRIFÍCIO ?????" Sem pudor eu a beijei na nuca e dei uma bela encoxada e sussurrei. "TE QUERO HOJE VÂNIA !!!!!" Ela desconversou mas ficou rebolando. A tarde nos falamos no MSN e finalmente marcamos um encontro. Peguei um táxi, passei no ponto na hora marcada e fomos para um motel. No táxi tentei beijá-la mas ela me rechaçou, pedindo descrição. Quando entramos no quarto nos entregamos ao prazer. Beijei-a demoradamente na boca chupando e mordeliscando cada cm daquela boca maravilhosa. Nossas mãos se entrelaçavam e se despiam, Despi-a completamente e chupei cada cm, começando pela nuca, pescoço, colo, entre-seios, barriguinha, virilha, coxas, canelas, tornozelos, pés. Subi com a mesma volúpia, mas me demorei mais na virilha enterrando minha língua naquela xana. Era uma xana bem depilada. Com muita delicadeza desbravei-a. Estava entorpecido e só ouvia seus gemidos e urros. Voltei a subir e quando chupei com mais força seus seios maravilhosos ouvi-a implorar por penetra-la. A Vânia tinha se transformado. Parecia um animal querendo foder, fiquei surpreso em ver aquela mulher tão séria pedir e pedir com gosto! VEM FÁBIO, ME FODE, AAHHHHHHHH ME COME, ME FAZ MULHER AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII QUERO SENTIR SEU PAU EM MIM HUMMMMMMMMMMMMMM. PUTA QUE PARIU O QUE É ISSO?????? QUE DELICIA ESSE SENTIMENTO, METE LOGO............... CARALHO........... VEM ARREGASSA MINHA BUCETA............ AIIIIIIIIII. Vendo-a se contorcer na cama obedeci. E com uma única estocada enterrei parte da minha vara. AIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII. O grito saiu alto e ela tentou escapar. Segurei-a pelos ombros e voltei a estocar. HUMMMMMMMMMMM!!!! QUE DELICIA!!! QUE PAU.............. FODE............. Estoquei com mais força e sem dó, minha boca abocanhava os peitos com toda vontade. Estava por cima vendo seu corpo se contorcer e pedindo mais. Abraçei-a com força e a fiz gemer mais. Senti ela abrir mais suas pernas permitindo-me penetrar mais forte. O ritmo foi ficando alucinante. Ao ouvir sua voz pedindo mais e mais fiquei em êxtase. Ela tinha se transformado numa potranca, uma mulher sedenta e gulosa. HUMMMMMMMMMMMM!!!AHHHHHHHHHHHHHH!!! Após esse gemido senti o estremecer daquele corpão, vi seus espasmos e sua luta em liberar toda a energia e tesão. Senti seu gozo lubrificar meu pau e sua respiração começou a diminuir. Deitei-me sobre seu corpo e susurrei. PODE CAVALGAR VÂNIA? Vi um sorriso levado e um sussurro. NUNCA FIZ ISSO, MAS MEU AMIGO PUTINHO MERECE........ Eu a ajudei, ela se posicionou e começou a cavalgar gostoso. Que buceta!!!!!!!!!!!!!!! Vê-la de frente com aqueles peitos pulando na minha frente me fez aumentar meu fetiche. QUERO TE COMER NO ÔNIBUS VÂNIA. Disse. Ela me encarou e perguntou como. Pedi que ela se levantasse e ficasse numa posição como se estivesse no ônibus. Ela o fez. Cheguei por trás e fui encaixando minha vara. Ela arrebitou a bundinha e logo minha vara estava bombando naquela buceta lubrificada. Estoquei com força fazendo ela sentir pontadas de dor por conta da posição, que era desconfortável. Ela continuava a falar baixarias. HUMMMMM GOSTOSO. COME SUA VADIAZINHA DO ÔNIBUS. ARREGANHA ESSA BUCETA. ME RASGA, SEU SEM VERGONHA. SAFADO, FILHO DA PUTA Joguei-a a cama e a coloquei de quatro e voltei a bombar agora numa posição mais confortável. Segurando-a pelos cabelos manejei seu corpo como se fosse uma égua. Usei seus cabelos como arreios e soquei com força. AIIIIIIIIII ISSO !!! ME USA, ME FAZ SUA POTRANCA. FODE COM FORÇA!!!!!!!!!!!!!!!!! ENCHE MINHA XANA DE PORRA....... AIIIIIIIIIIIIIIIIIIII............ Gozei.... três jatos inundaram aquela gruta. Caimos e ficamos ali por alguns minutos. Ela confessou que nunca havia traído o marido, mas que ele merecia. Até hoje, às vezes nos falamos no MSN e tento marcar outro encontro, mas a Vânia comportada voltou...


Referência:
Contos Femininos

CONGRESSO

 
Créditos: mundial eventos

Autora: Pimentinha Mineira

Confesso que não sou muita fã de congressos e eventos acadêmicos. A verdade é que poucas vezes me encontro realmente interessada e centrada. A bem da verdade é que nos últimos meses estava de saco cheio de tudo que fosse relacionado a minha faculdade e evitava qualquer encontro social que fosse tratar mais uma vez dos mesmos temas. 

Em agosto vi alguns cartazes pelos murais informando sobre um evento tipo "feira de carreiras e oportunidades" que iria acontecer nas principais capitais do país, com a presença de profissionais renomados de algumas empresas de grande porte que iriam abrir processos de trainee. Para inscrever-se, era preciso estar a menos de seis meses da conclusão do curso e pagar a taxa até tal data. O evento iria acontecer em setembro em um centro de convenções próximo a minha casa neste último mês de setembro. Por acreditar que este evento teria uma proposta interessante e seria diferente dos últimos, resolvi me inscrever. Eram 3 dias de apresentações, palestras e feiras, sendo que o último dia encerraria por volta de meio dia.

Combinei com alguns colegas e fomos juntos na abertura. Fiquei positivamente impressionada com a estrutura montada e em especial, com a dinâmica das palestras. Tinham tantas empresas que eu me interessava que foi difícil fazer uma triagem com as apresentações que eu iria assistir ou para quais stands iria buscar informações.
Em resumo, estava tudo ótimo. No segundo dia pela manhã, ao chegar no auditório que abrigaria a apresentação que eu estava interessada, tive uma grande surpresa. Sentado a mesa entre outros executivos, estava um querido professor que há algum tempo não tinha notícias. Ele havia lecionado uma matéria no curso de extensão a pouco mais de um ano e eu havia me aproximado dele porque na época estava fazendo um projeto cujo tema ele era especialista. Ele não havia sido meu professor diretamente, até porque, ele foi convidado pela Universidade e tinha prestado seus serviços por lá por dois semestres.

Durante as semanas que ele esteve me orientando, fiquei fascinada com ele e com o trabalho que havia realizado, tivemos algumas oportunidades de passar bons momentos juntos. A medida que meu projeto ia desenvolvendo, aumentava minha atração. Adorava ficar a sós com ele na salinha de estudos e ele sempre correspondia as minhas expectativas.

No começo os toques eram tênues e sempre para indicarem alguma leitura. Eu morria de tesão com aquele homem e suas palavras articuladas. Além de inteligente, ele era um coroa muito gato, bem vestido e com cara de safado, incrivelmente diferente da maior parte dos outros professores. Eu dava muito mole pra ele e ele sabia... deixava eu ficar arrumando pretexto para ir a sua sala depois da aula.
O ápice do nosso envolvimento foi em um dia quente que eu fui de saia pedir uma ajudinha no intervalo. Bati na porta, ele estava lá sentado a mesa corrigindo alguns exercícios e pediu para eu fechar a porta por causa do barulho. Estava com o trabalho impresso nas mãos e quando fui entregar, ele me puxou pelo pulso e eu cai sentada no seu colo.

Antes mesmo que ele explicasse qualquer coisa, me deu um beijo bem gostoso cheio de língua, me deixando muito molhada. Enquanto nos beijávamos ele alisava as minhas coxas, subia pela minha barriga, apalpava meus seios com as mãos firmes... e voltava fazendo o percurso inverso. Ele entrou com a mão entre as minhas pernas e senti o mundo parar... Ele começou a me masturbar bem gostoso, devagar e lento, sentindo cada centímetro de mim... A cada entrada, eu rebolava com mais vontade naquele pau duro quase a ponto de estourar a calça. Infelizmente para o meu a!azar e o dele, o intervalo estava no fim e ele precisava voltar para a sala de aula. Apesar do clima que ficou, acabou não rolando nada além de uns beijos e umas mãos bobas por mais uns dias... Era fim de semestre, ele logo voltou para sua cidade e eu entrei de férias e viajei.

Voltando a apresentação! Quando eu bati os olhos nele, senti um frio no estômago difícil de controlar. Não havia me lembrado que ele prestava consultoria para algumas das empresas que estavam ali. Não sei se eu perdi o momento de cumprimentar ou se realmente quis evitar um confronto de olhares, mas preferi fingir que não o conhecia e procurei um lugar para me assentar. Acho que como eu não fiz nenhum esforço de ir até ele, o professor ficou na roda junto com os outros palestrantes e não veio falar comigo.

Logo após essa palestra seria o intervalo de almoço e às 14h voltaríamos as atividades. E como toda palestra no fim, tem sempre uma meia dúzia de interessados que levanta uns questionamentos e eu estava no meio. Tive que esperar minha vez e acabei saindo uns dez minutos depois de todo mundo e sozinha. Estava passando por um corredor vazio a caminho da saída quando senti alguém me puxando pelo braço. "Vai fingir que não me conhece?" Ele me apertou forte e começou a me puxar: "Vem comigo!". Eu andava olhando para trás para ver se tinha alguém nos vendo, mas nem sinal de vida no corredor afora. Ele abriu uma salinha escura e passou a chave na porta, parecia uma salinha de equipamentos, com painéis, retroprojetor, mesa de som, com pouco mais de 4m2 livres entre as estantes. Mesmo com a luz apagada, era possível enxergar lá dentro. Ainda me segurando pelo braço, ele me apertou contra o corpo dele e disse "Já esperei por tempo demais" e me deu um beijo. Nos beijamos com muita saudade. Comecei a lambê-lo lentamente no pescoço, desabotoando sua camisa e descendo minha língua pro seu peito. Ele tentava subir minha camiseta e apertar meus seios. Em segundos nossas blusas estavam jogadas pelo chão e nossos peitos nus se apertavam. Que saudade daquelas mãos... Como aqueles dedinhos já haviam me dado prazer!!! Sussurrei no ouvido dele: "Professor, coloca sua mão dentro da minha calcinha que ela está com saudades..." e no mesmo instante ele desabotoou minha calça jeans e começou a esfregar. Eu estava gemendo e ele me mandou ficar quietinha, pois ninguém podia nos pegar ali, seria um escândalo... Ele puxou minha calcinha de lado e começou enfiando um dedo, depois dois e com a outra mão tampava a minha boca. Eu estava me segurando para não dar meus gritinhos e tive que me apoiar na parede, de tanto delírio e tesão. Ele enfiava e perguntava: "Está gostando, safadinha?" e levava os dedos na minha boca pra eu chupar... As minhas calças já estava caídas e ele terminou de tirar... Com uma mão, ele puxou para o lado a minha calcinha e mandou eu separar as pernas. Como uma boa aluna, fiz tudo que ele pediu.... O Professor começou a lamber minha xaninha e a chupar meu grelhinho... Eu levantei a perna esquerda e apoiei na estante, dando mais espaço para ele brincar em mim. Estava uma delícia... Os meus dedos entrelaçavam no cabelo dele e cada pontada de prazer eu puxava devagarzinho e jogava minha cabeça para trás. Com a ajuda dos dedos, ele abriu minha xaninha e enfiou aquela língua afiada dentro de mim.

Quando eu achei que não aguentava mais, ele aumentou a pressão e quase me fez dar um gemido que entregaria nosso esconderijo. "Calma menina, é só o começo", ele disse... e voltou a ficar em pé. Ajoelhei para tirar o cinto e desabotoar a calça, enquanto beijava seu pau muito duro por cima do tecido. Ele pegou no cabelo, me fez olhar pra cima e disse: "Quero que você se dedique ao máximo a essa projeto, pois ele abrirá portas deliciosas..." Como toda boa aluna, assim fiz... Depois de abrir o ziper da calça, desci a cueca até a altura das canelas e comecei a beijar e lamber a cabecinha, até eu resolver colocar tudo na minha boca. Ele não aguentou e deu um suspiro de tesão! Chupei com muita vontade até sentir as bolas encostarem no meu queixo e não haver mais espaço! "Ah, como você é gulosa!" e puxando meu cabelo, passou a controlar meu ritmo. Depois de uns minutinhos, eu passei a revezar, ora chupando as bolas, ora o pau inteiro. "Você sabe que o seu professor não tolera desperdícios... não quero ver sobrar nenhuma gotinha" e me fez engolir aquele pau melado e gozou na minha boca. Engoli com gosto...

Depois de terminada a primeira etapa do `exercício`, ele me puxou pelos braços e começamos a nos beijar de novo... Devagar, comecei a esfregar meu corpo no dele... Virei de costas e tratei de rebolar no quadril dele... Eu ainda estava de calcinha e ela era bem enfiadinha atrás, causando uma bela imagem. Ele pegou na minha cintura e começou a esfregar aquele pau na minha bunda que prontamente já estava no ponto... Ele desceu as mãos até as laterais da calcinha e puxou para baixo, deixando meu bumbum descoberto. Apoiei minha mãos na estante, com o corpo inclinado para a frente e deixei meu derriere a disposição... Ele cuspiu em uma das mãos e esfregou no meu cuzinho para facilitar a penetração. Primeiro foi um dado para certificar que haveria espaço... Esse mesmo dedo que tanto já me tirou o sono!!! Ele viu meu sorriso safado e resolveu me dar de brinde alguns minutinhos do seu trabalho manual... Eu queria muito gozar com aquela dedada e vendo isso ele disse: "Espera menina, o melhor estar por vir...".

E veio! Depois de aquecer com o dedo, ele meteu aquela vara na minha bunda e começou a comer meu cu com gosto. Eu tive que soltar uma das mãos da estante e tampar a boca para me conter! "Ai professor, mete tudo porque eu mereço!", "Eu sei e é isso que vou fazer com você, minha aluna putinha"... Ele colocou lá dentro e aumentou a estocadas, cada vez mais fundo... Senti sua barriga encostar na minha bundinha e gozei muito gostoso, a ponto de fazer minhas pernas bambearem e tremerem... "Aguenta firme que eu quero mais", disse o Professor. Eu não ia conseguir e mas não queria parar, pedi para ficar de quatro... Soltei a mão da estante e fui ao chão, ele ajoelhou atrás de mim e começou de onde havíamos parado... Depois de uma sessão enlouquecedora de anal, ele quase a ponto de gozar novamente, me virou e deitei em cima de algumas peças de roupa, ele veio por cima e fizemos um papai-mamãe delicioso naquele chão frio. Aproveitei para beijar meu querido professor e ele parou de segurar, ejaculando dentro de mim... Ele colocou a cabeça no meu peito e sentiu meu coração desesperado... Ficamos naquela posição por um tempinho até ouvirmos pessoas andando no corredor. Certamente alguns já estariam voltando do almoço e teríamos que sair logo daquela sala de equipamentos. Nos vestimos e despedimos... Fui a rua fazer um lanchinho e voltei para o auditório, com um sorriso bobo no rosto...

Referência:
Contos femininos

CONTOS

Créditos: palavrasousadas.blogspot.com


O único ser vivo que é movido pelo desejo é o ser humano, diferente dos animais que se acasalam movidos pelo instinto, tanto que só fazem sexo quando a fêmea está no cio.

Para que tenhamos relações sexuais satisfatórias, temos que estar no mínimo com as fases da resposta sexual humana funcionando bem.

créditos: updownportugal.com 

A fase do desejo é o início de tudo, pois é anterior ao contato sexual,
com ela vem o despetar da vontade de ter alguma atividade sexual.

E acontece da seguinte forma: -Uma área específica do cérebro é atingida, e diante de uma situação/estímulo sexual, inicia o ciclo de resposta sexual humana.

Como identificamos isso?

Através das  Fantasia, pensamento eróticos, ou visualização da pessoa desejada.

Os contos eróticos são uma forma de espimular o desejo, já que quando essa fase não esta respondendo satisfatoariamente, a pessoa não dá atenção a nenhum estímulo erótico. Sendo assim, uma das formas de reascender esse desejo é buscando ter algum tipo de contato erótico.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

POSIÇÕES PARA O COITO

cama sutra1
Créditos: Mundo a fora

O sexo é a atividade mais praticada em todo o mundo, e as posições sexuais ajudam a apimentar a relação sexual.

Quando nos referimos a posições para o sexo, logo fazemos associação ao Kama Sutra. Você sabia que esta arte milenar Indiana também é utilizada como técnica para tratamento de disfunções sexuais? Algumas delas facilitam a mulher chegar ao orgasmo, outras ajudam o homem a controlar a ejaculação rápida, outras até facilitam a relação sexual de pessoas acima do peso ou mulheres grávidas, e também podem ser feitas e locais que exigem mais agilidade.

Deixe para trás a timidez, e experimente as posições sexuais que serão publicadas ao longo do mês de Novembro.

Para os adeptos a essa prática, solicito que deixem seus depoimentos para que assim possam contribuir para os que ainda não se aventuraram.

Foi bom pra você? Espero que sim...

Graziella Lima



Referencias:

Diário de mulher
Seja homem. com
Revista Abril
Nova Abril

 
 
 
 

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

PRESERVATIVO FEMININO


Crédito: queremosfalarde.blogspot.com

Video produzido pelo Instituto de Saúde em parceria com a Área Técnica de Saúde da Mulher da SMS/SP com objetivo de estar disponível nas TVs internas das UBS da SMS/SP para sensibilizar e atualizar profissionais de saúde.
Preservativo Feminino: Orientações para profissionais e expansão na Atenção Básica

video

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...